Quartzo ametista: crenças ancestrais

Segundo a mitologia grega, Ametista era o nome de uma ninfa muito assediada por Dionísio e, que, por essa razão, foi transformada pela deusa da castidade num cristal transparente. Furioso, Dionísio mergulhou o cristal em vinho, que se tornou, assim, lilás.

Usada como amuleto de proteção por soldados, bem como, por caçadores de animais selvagens, é igualmente usada no Oriente em joias na testa, já que se acredita que exerce uma influência positiva no chakra Ajna, também conhecido por “terceiro olho”.


Post mais antigo Post mais recente


Deixe um comentário

Chamo à atenção que os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados